terça-feira, 4 de junho de 2013

Amamentação vs 1ª alimentação bebé J

A propósito de uma entrevista que li a uma pediatra e mãe sobre este tema, decidi registar aqui a minha experiência como mãe do João para memória futura. 
A amamentação foi um processo natural e nada doloroso. Sai do bloco com o João nos meus braços e quando chegamos ao quarto e p coloquei na mama foi algo inato para ele e para mim, a enf. Emília (minha parteira) comentou mesmo "olhem para isto, nem parece Mãe de 1ª viagem". 
Um orgulho. Tinha leite (colostro) para ele e mais 20 comilões como ele. Chegaram a dizer-me que podia alimentar a ala toda! 
Mas não há bem que sempre dure e mal que nunca acabe. 
Entre os 3 e os 4 meses o leite começou a reduzir. A mama esquerda foi a primeira a entrar em falência (algo me dizia que o governo ia cair). E a mama direita, a mais gretada, a mais dorida, era a mais desejada e a que ainda ia produzindo o suficiente. 
Houve umas semanas de desespero. O leite era pouco, o João não gostava nem queria o adaptado porque me sentia por perto (e não se alimentava de mais nada, passava horas sem comer e horas a chorar) e a Mae estava a entrar numa depressão pôs-parto. 
Sozinha 24 horas com o João nos braços, exausta e sem saber o que fazer. 

As 16h04 do dia 20 de Abril 2011, estava o João a comemorar o seu 4º mês de vida, iniciou-se na alimentação solida. Com colher (silicone da Nuk) comeu o primeiro prato de papa (farinha láctea sem glúten da Nutribén). 
Tal como a amamentação o processo foi fácil e tranquilo. Adorou. 

Mas a papa era apenas uma refeição por dia, e as noites voltaram a ser agitadas. Alterou-se o leite adaptado e a hora da papa (para o jantar). 
As papas eram intercaladas  de sabores, por indicação medica (para não enjoar e não criar resistência). 

Depois das primeiras papas da nutribén passamos para os vários sabores da milupa (APTAMIL),  da blédina e da nestlé.  
 
As preferidas do João eram as da milupa. E foi também o leite adaptado da APTAMIL que foi melhor tolerado (por um maior período de tempo), até passar para o leite de vaca (12 meses). 

(Continua...)

Sem comentários: