quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Para o menino e para a menina

Temos para todos os gostos. O freguês escolhe.
Temos tosse, ranho de variada consistência, cor e intensidade, febre e as histórias do João.

Ontem era dia de treino. Às 11h da manhã estava equipado, depois de muito me moer o juizo. Claro que começou a perguntar pelo pai, e se podia calçar as chuteiras. Às 11h30 queria almoçar, mesmo com o ranho amarelo a sair-lhe pelo nariz e a voz rouca de tanto tossir. Às 15h30 estava a calçar as chuteiras e caneleiras e a escrever o nome na bola nova. Quando o pai chegou perguntou porque não estava de férias e o pai explicou que teve de passar por várias cidades para "compor máquinas" .

Lembram-se da vida que o meu filho teve quando era grande? Em França. Hoje ficámos a saber mais sobre as suas origens.

João - sabes, quando eu era grande, os meus pais moravam em Viana do Castelo (uma das  cidades onde o pai tinha passado a trabalho nesse dia).

Pai - ai sim? E como foste parar a França? Eras emigrante?

João - Não. Fui de avião.

[e agora que aprendeu a fazer este sorriso nr. 33? Quem foi que lhe disse que não se pode mostrar os dentes? Deve ser alguém com uma profunda corrente de ar dentária! Para breve um post à "dona Dolores"]

Sem comentários: