segunda-feira, 23 de maio de 2016

Espelho, espelho meu

Quando a Maria Rita nasceu,  unanimemente, todos diziam que era parecida comigo.
Nunca gostei desta coisa das parecenças, e acho que eles são parecidos com eles próprios. Normalmente podem ir buscar traços ao pai, à mãe, aos avós, primos, tios e até ao tio-avô que era zarolho. A isto chama-se genética, sim, sim, não é aos bichinhos do monte.

Quando ela nasceu, a única coisa que eu conseguia encontrar de semelhanças era...o cabelo. E nisso era pai. Nunca tinha visto bebé com tanto cabelo e sempre adorei bebés carecas. No entanto este, talvez por ser meu, nutri um amor desmesurado.

A Maria Rita foi crescendo e comecei a ouvir aquelas frases típicas "ah esta é muito mãe" (sim há quem continue a achar o João igual ao pai, e é, só não digo onde para manter a dignidade deste sitio), "ah é a cara do pai" (mesmo de pessoas que só viram o pai uma vez).

A verdade é que quando choram, os meus filhos ficam muito parecidos com o pai. É a expressão dos olhos tristes, não sei, há ali qualquer coisa de trágico e realmente muito idêntico ao gene paterno. Mas quando sorriem, não imaginam a explosão de genes maternos que se espalham por todo o lado, acho que há qualquer coisa de palhaço que contamina.
Felizmente eles costumam rir bastante, mas com pessoas  que teimam em encontrar o que não devem, eles choram muito!

A minha versão das coisas é que a Maria Rita continua muito parecida com o pai, no cabelo, e nas unhas dos pés (segundo consta), mas nos dedos dos pés é mãe (vá, todos a sorrir!). Acho que tem os olhos do pai. E a cor ainda  não muito definida também é pai (o pai continua a jurar a pés juntos que tem olhos verdes no verão. Nunca olhei para ele no verão, não me posso pronunciar).
Mas a boquinha, o nariz de batatinha (que agora encolhe e faz  rugas quando sorri - fofinha), as orelhas e as mamocas (e que belas mamocas), essas são mamã, na íntegra e sem mas.

Há porém umas mentes iluminadas, que não tendo mais o que fazer, decidem alucinar e achar que a minha bebé, a luzinha do meu coração é parecida, imaginem com quem? Isso, com a minha sogra.

...............oh céus................

Maria Rita, filha, prepara-te que ouvirás pela vida toda as coisas mais incríveis que possas imaginar. Respira. E sorri. A  isto chama-se viver.

Nota para os que não entendem ironia: eu gosto bué do pai das crianças, não casei com ele por ser feio e rodinha 27, ok? Aliás gosto tão pouco do homem que até tive um segundo filho com ele, só para ver se o segundo seria mesmo um Deus Grego. Para quem não conhece, Mr. Rabbit é um pedaço de mau caminho, e não manca, não é careca e não tem nenhum dedo defeituoso, ok? 

[boquinha linda da mãe] ;) 

Sem comentários: