sábado, 8 de julho de 2017

Ser feliz

Neste momento só tenho um desejo na vida: ser feliz.

Esta felicidade passa, como é óbvio, pela felicidade dos meus filhos e dos que me são próximos. 

O João terminou, há duas semanas, o 1° ano do 1° ciclo. Pensei muito se valia a pena esperar ou arriscar inscrevê-lo nesta nova fase ainda com 5 anos (o João pertence ao grupo de crianças "condicionais").

Eu sou contra os quadros de honra. Não sou apreciadora de quadros de comportamento.

Não concordo com trabalhos de casa e sempre que percebi que o João estava cansado, proibi que os fizesse (muitas vezes foi para a cama a chorar porque queria fazer e eu não deixei).

A primeira avaliação que o João teve, no 1° período pediu-me para o "acordar ainda de noite para estudar". Como assim estudar? É claro que não acordei, nesse dia de manhã, ao pequeno-almoço, cantou a música da Maria Vasconcelos, os ditongos.

Acredito que os resultados escolares são muito mais o espelho das capacidades enquanto pessoas do que de trabalho exaustivo, acredito numa aprendizagem por pensamento lógico e não por repetição, acredito que uma criança feliz será sempre bem sucedida, independentemente das classificações, de saber tocar piano, falar francês e fazer o pino em cima de uma cama de pregos.

O João mostrou-me isto. Com o João aprendi que não quero que ele seja como eu. Quero que nunca deixe de dormir por causa de uma avaliação, quero que não deixe de brincar por causa da ansiedade da escola, quero que não deixe de comer pelo medo de não conseguir. Quero que ele seja feliz. E isto pode ser incutido agora, enquanto há tempo.

Este foi um ano difícil. Muitas mudanças, em períodos muito curtos. E enfrentar a vida com um sorriso foi a maior prova que o meu filho é feliz.

Para mim isto basta. Não vou publicar as notas dele, porque para mim o mais importante é sentir que ele está bem e isso sim, quero partilhar, para se algum dia ele questionar, pode vir aqui ler. És feliz filho, muito feliz!

Parabéns por teres vencido um ano lectivo cheio de obstáculos, de te teres transformado no irmão mais velho a duplicar, de teres sido tantas vezes o meu pilar, a mão que me embalava para adormecer. Obrigado por me ajudares a crescer,.com as tuas birras e com as tuas teses argumentadas ao pormenor. Espero que continues a levar a vida a brincar, porque vais precisar, vais precisar dessa coragem. E quando sentires que te falta o chão, sorri, sorri sempre filho!

Ele tem livro de actividades para fazer nas férias porque me pediu (muitooo). E porque nos dias em que não teve massacrou a cabeça a toda a gente para fazer "coisas". 
Tem o livro. Faz quando quer. Sem obrigações.

Sem comentários: